A história da maquiagem abrange pelo menos 6000 anos na história humana de quase todas as sociedades do nosso planeta  Se você está preocupado com os ingredientes na maquiagem nos dias de hoje, basta esperar até que você leia sobre o que os homens e as mulheres colocaram em sua pele ao longo das eras e o alto preço que pagaram.

Tendências de maquiagem mudam constantemente e é fascinante dar uma olhada na evolução dos cosméticos. Embora as mulheres e os homens usem cosméticos há séculos, o que e como eles usam maquiagem sofreu algumas mudanças dramáticas.

História da maquiagem: os primórdios

A primeira evidência arqueológica da maquiagem, datada de 4.000 antes de Cristo, foi encontrada no antigo Egito onde túmulos escavados revelaram um grande número de frascos de unguentos. Devido ao clima quente e seco, homens e mulheres usavam unguentos, uma substância que suavizava a pele, evitava queimar ao sol e limitava os danos pelos ventos arenosos.

Os egípcios antigos acreditavam que a maquiagem fazia mais do que apenas melhorar suas características naturais. Eles acreditavam que sua maquiagem de olho elaborada poderia afastar os maus espíritos e melhorar a visão; Mesmo os mais pobres usavam maquiagem dos olhos. As cores das mulheres egípcias favoritas eram o preto e verde.

Os egípcios decoraram seus olhos aplicando o verde escuro à pálpebra inferior e usando o kohl para esboçar os olhos, criando o lindo visual que conhecemos. Kohl é composto de chumbo, cobre, amêndoas queimadas, fuligem, e outros ingredientes, incluindo galena (que tem qualitdades desinfetantes).

Kohl protegia os olhos contra o sol e agia como um repelente para moscas. Médicos egípcios antigos prescreveram o uso de kohl contra doenças dos olhos; A coloração verde foi conseguida por trituração da malaquita, um minério de cobre que tem uma cor verde vibrante.

Maquiagem ao longo dos anos

Ao longo dos milênios, a maquiagem evoluiu muito para hoje se tornar uma aliada indispensável da mulher moderna. (Foto: YouTube)

História da maquiagem: o surgimento do batom

Antigos egípcios usavam um tipo de vermelho para manchar seus lábios e bochechas

Para criar este efeito de coloração, retiravam a cor púrpura-vermelha do iodo e bromo. Infelizmente, esta combinação de ingredientes mortais levou a doenças graves e passou a ser conhecida como “o beijo da morte”.

De acordo com algumas fontes, o batom de Cleópatra era feito de besouros vermelhos e ovos de formiga. Quando amassados em um pilão, os besouros do carmim deram uma cor vermelha forte e os ovos da formiga forneceram o ingrediente de base ao batom.

Os antigos usavam escamas de peixe para dar o brilho ao batom. Imagine beijar os lábios revestidos em escamas de peixe?

História da Maquiagem: as cores dos antigos egípcios

A coloração vermelha na maquiagem foi obtida usando ocre vermelho. O ocre tem sido usado desde tempos pré-históricos e é um pigmento feito de óxido de ferro hidratado de argila naturalmente tingida.

A henna, um corante obtido a partir das folhas e brotos do arbusto henna nativo de partes da África, foi usado para pintar as unhas e colorir os cabelos. A cor e a condição das unhas tem sido há muito tempo uma indicação do status social. Henna também foi usada como uma planta de cura e para a limpeza e resfriamento da pele.

Roma e a maquiagem

Na Roma antiga, Plauto, um filósofo romano, escreveu que uma mulher sem tinta é como a comida sem sal. Em meados do século I depois de Cristo, romanos amplamente utilizavam cosméticos. Kohl foi usado para escurecer cílios e pálpebras, giz foi usado para branquear a testa, e tons vermelhos eram usados na bochecha. Os depilatórios eram comuns e a pedra pomes era usada para limpar os dentes.

Mais fatos fascinantes na história da maquiagem foi que as mulheres persas usaram tintas de henna para manchar seus cabelos e rostos com a crença de que esses corantes lhes permitiriam chamar a majestade da terra. Na sociedade greco romana, as mulheres usavam chumbo branco e giz em seus rostos.

Maquiagem na Idade Média

Durante a Idade Média européia, a pele pálida era um sinal de riqueza. As mulheres procuraram medidas drásticas para conseguir esse olhar até provocando hemorragias.

Durante o Renascimento italiano, tinta de chumbo foi usada para iluminar o rosto, que era muito prejudicial para que usava. Aqua Toffana era um popular pó facial feito de arsênico.

A história da maquiagem mostra a beleza mais perigosa com o uso chumbo branco e mercúrio. Estes não só acabaram arruinando a pele, mas também causavam perda de cabelo, problemas de estômago, e poderiam até causar a morte. Embora esses perigos se tornassem conhecidos, a maioria das mulheres continuou a usar esses branqueadores mortais.

A maquiagem no século XVII

Durante o reinado de Carlos II, a maquiagem pesada começou a surgir como um meio para contrariar a palidez causada por doenças e epidemias.

Em 1653, Thomas Hall, pastor inglê, liderou um movimento declarando que a pintura do rosto era “obra do diabo” e que as mulheres que pintavam a boca tentavam enredar os outros e acender o fogo e uma chama de luxúria no coração daqueles que lançam os olhares sobre elas.

Em 1770, o Parlamento britânico aprovou uma lei condenando o batom, afirmando que as mulheres consideradas culpadas de seduzir homens em casamento por meios cosméticos poderiam ser julgadas por feitiçaria.

A Rainha Victoria declarou publicamente a maquiagem algo descortês. Qualquer dica visível de adulteração com a cor natural seria vista com desdém. Algumas mulheres usavam ovos brancos sobre seus rostos para um olhar brilhante.

Quanto mais alta a classe de uma pessoa, mais tempo de lazer ele ou ela tinha que passar dentro de casa para manter a pele pálida. Assim, as classes mais altas da sociedade europeia capazes de passar todo o seu tempo protegidos do sol frequentemente tinham a pele mais leve. Os homens e as mulheres europeus usaram frequentemente o pó branco em sua pele para um visual mais aristocrático.

Farmacêuticos locais fizeram muitos cosméticos e ingredientes comuns que incluía tinta de chumbo branco, arsênio, mercúrio e ácido nítrico. Além disso, embora as mulheres soubessem que era venenoso, a belladona foi usada para fazer seus olhos parecerem mais brilhantes.

Nos anos 1800, a maquiagem era vista como vulgar e só usada por atores e prostitutas. Quando a maquiagem começou a ressurgir, ela ainda era vista como pecaminosa, embora os tons naturais fossem aceitos para dar um visual saudável e cor de rosa para as bochechas.

Durante a Restauração Francesa no século XVIII, o vermelho e o batom foram usados para dar a impressão de um espírito saudável e divertido.

Nesta história de maquiagem, você pode se surpreender ao saber que os homens usavam maquiagem até a década de 1850. George IV gastava uma fortuna em cremes, pós, pastas e aromas. No entanto, nem todos os homens usavam maquiagem, como muitos olhavam para um homem com bochechas com desdém.

Continuando nossa história, em 1884, os perfumistas em Paris introduziram o primeiro batom moderno. Estava envolto em papel de seda e feito com sebo de veado, óleo de rícino e cera de abelhas.

Maquiagem no século 20

A verdadeira evolução na história da maquiagem realmente começou durante a década de 1910. Até então, as mulheres faziam sua própria forma de rímel, adicionando cera quente para as pontas de seus cílios. Algumas mulheres usariam vaselina para essa finalidade.

Em 1909, a loja Selfridges abriu na Oxford Street de Londres vendendo abertamente cosméticos. As vitrines de cosméticos eram abertamente visíveis para os clientes e não estavam mais escondidos sob o balcão.

Durante os primeiros anos do século XX, a maquiagem tornou-se moda na América e Europa devido à influência do balé, teatro e da indústria cinematográfica em Hollywood. A popularidade dos filmes mudos promoveu o uso do batom porque as mulheres nesses filmes usavam batom preto. Foi também nesta época na história da maquiagem que os primeiros tubos flexíveis de batom foram inventados.

Percorrendo a nossa história de maquiagem, Na década de 1920, Coco Chanel inventou o estilo Flapper, que abraçava olhos escuros, batom vermelho, esmalte vermelho e tons bronzeados. A partir da década de 1930 até a década de 1950, várias estrelas de cinema se provaram como os modelos para as tendências atuais na maquiagem.

Ajudado pela indústria cinematográfica no período da Segunda Guerra, ganharam respeitabilidade o  batom e pó facial. Tornou-se o dever patriótico das cidadãs do sexo feminino para se maquiarem sempre.

A mulher recentemente emancipada da América começou a indicar sua independência pelo uso livre do batom vermelho que era frequentemente aromatizado com cereja.

A Vogue contava sobre mulheres turcas usando hena para delinear seus olhos, e a indústria do cinema imediatamente se interessou. Esta técnica fez os olhos parecerem maiores, e a palavra ‘vamp’ tornou-se associada a essas mulheres, vamp sendo uma versão curta para vampiro.

Durante as décadas de 1960 e 1970, muitas mulheres no mundo ocidental foram influenciadas pelo feminismo e decidiram viver sem maquiagem. Feministas neste movimento sentiram que a maquiagem contribuiu para o status de segunda classe das mulheres, tornando-as objetos meramente sexuais que desperdiçavam tempo aplicando cosméticos.

Maquiagem no século 21

No mundo de hoje, uma mulher tem literalmente centenas de cosméticos para escolher, com uma grande variedade de cores e usos. Mas as mulheres também aprenderam que a beleza exterior não permanecerá para sempre, não importa quais as medidas drásticas são tomadas.

Há alguns casos trágicos de mulheres (e homens) perseguindo o olhar sedutor da juventude. O rosto de alguém só pode lidar com um número limitado de operações e procedimentos antes que o resultado final seja de cicatrizes, deformidades e da queda na auto-estima. E quanto a você? O que acham da maquiagem? Como usam a maquiagem no dia a dia?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)