As pessoas, muitas vezes, associam o estar magro com o estar saudável. Esse é um grande mito que envolve o universo da obesidade, do sobrepeso e dos programas de dietas e afins. Há pessoas que não possuem “tendências” genéticas para o sobrepeso e muito menos para a obesidade.

Ser magro é ser saudável?

Você já deve ter visto aquele tipo de pessoa que come bastante e não necessariamente engorda, mas isso não significa que essa pessoa é saudável. Há pessoas que são magras, mas não se alimentam de comidas saudáveis, são sedentárias e possuem excesso de gordura corporal. E aqueles que, além disso, fumam e/ou ingerem muita quantidade de álcool. E ainda vai dizer que simplesmente ser saudável é ser magro? Sem falar naquelas pessoas que possuem distúrbios alimentares (como anorexia e/ou bulimia) e são magérrimas, mas não são nada saudáveis e muitas têm morrido nessa busca doentia pela magreza.

Magreza e gordura como sinais de saúde

Nem sempre a magreza é sinal de saúde, bem como uns quilinhos a mais podem não ser sinal da falta de saúde. (Foto: saylordotorg.github.io)

Magreza e problemas de saúde

Uma pesquisa do Hospital do Coração de São Paulo (Hcor), divulgada na Folha de São Paulo, comprova essa idéia de que ser magro não é necessariamente ser saudável. Essa pesquisa foi realizada com 26 modelos entre 14 e 24 anos, que estavam desfilando no São Paulo Fashion Week e apontou que elas alimentam-se mal, são sedentárias e possuem excesso de gordura corporal, em sua grande maioria.

Além disso, vários nutrientes são consumidos abaixo da média considerada ideal como, por exemplo, o ferro, que é consumido 11 miligramas diários (o ideal é 18 miligramas) e cerca de 1,7 gramas de potássio por dia (o ideal é 3,4 gramas). Os pratos consumidos por elas possuem excesso de proteínas, além de ingerirem poucas frutas. Algumas, inclusive, são desnutridas, possuem problemas intestinais e metabólicos. E, ainda, apenas 30% das modelos avaliadas fazem exercícios físicos regularmente. Outro dado importante dessa pesquisa é que a metade delas possuíam gordura corporal superior a 20% (acima do considerado recomendado).

Cuidado com seu peso

Por isso, nem sempre ser magro e ser saudável está diretamente ligado. Uma vida saudável requer alimentação saudável, ingestão de fibras, exercícios físicos e um percentual ideal de gordura corporal (que varia de pessoa para pessoa e gênero). Portanto, se quer perder peso, não simplesmente busque isso isoladamente, mas associe a uma vida saudável.

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)